Acidente com dois feridos graves marcado por abuso de poder da GNR!

Por Valdemar Pinheiro
Bombeiros e VMER assistem feridos (Foto Cascais24)

08.06.2016
Uma colisão entre um motociclo e um ligeiro, que provocou dois feridos graves, esta quarta-feira à tarde, na Estrada de Manique, ficou marcada pela arrogância e abuso de poder de militares da GNR de Alcabideche contra o jornalista profissional que fazia a respetiva cobertura jornalística.

Os feridos, dois jovens, de ambos os sexos, de 16 anos, que seguiam no motociclo sofreram várias fraturas e acabaram por ser transportados em ambulâncias dos Bombeiros Voluntários de Alcabideche para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa.
                                                                                                                   (Foto Cascais24)

O acidente registou-se quando um dos veículos que saia da rua dos Bem Lembrados, junto ao restaurante "A Casa do Lago", foi colidir com o outro, que circulava na Estrada de Manique.

Os dois feridos, condutor e pendura do motociclo foram estabilizados no local pelos Bombeiros Voluntários de Alcabideche e por uma equipa da VMER do Hospital de Cascais.
                                                                                                                         (Foto Cascais24)

O acidente provocou alguns congestionamentos no tráfego rodoviário, que foi parcialmente restabelecido pouco depois das duas horas da tarde.

GNR abusa de poder e ignora Lei!


Já na fase em que elementos do Núcleo de Investigação de Acidentes da GNR procediam à recolha das circunstâncias em que havia ocorrido a colisão, o jornalista que captava imagens genéricas foi abordado, com modos arrogantes, por um dos militares da GNR de Alcabideche presentes no local.
                                                                                                                         (Foto Cascais24)

"Não pode fotografar! Isto é o teatro de operações!", gritou o militar, dirigindo-se ao jornalista, o qual acabou por identificar-se com a sua Carteira Profissional de Jornalista n.º 772.

E o "zeloso" jovem e arrogante militar puxou do bloco de notas e começou a escrever, aproveitando o facto do jornalista, na sua carteira pessoal, dispor da Carteira Profissional de Jornalista ao lado com o Cartão de Cidadão e anotar toda a identificação!

"O senhor só tem que me identificar pela minha Carteira Profissional", ripostou o jornalista, em exercício de funções consignadas pela Lei da Constituição da República Portuguesa.

Mas, pelo seu comportamento, para o militar em causa a Carteira Profissional de Jornalista "não vale nada!".

"Sabe o que é um Orgão de Policia Criminal?", questionou o arrogante militar, ao que o Jornalista retorquiu: "Sei e o senhor sabe o que é um Jornalista?".
                                                                                                                      (Foto Cascais24)

E, foi, então, nesta altura que um outro militar, agressivamente, tomou a direção do jornalista com ameaças completamente despropositadas, na presença de alguns populares e dos bombeiros!

O comportamento, inadmissível dos militares da GNR de Alcabideche vai, entretanto, ser alvo de queixas a formalizar junto dos respetivos Comandos, Comissão da Carteira Profissional de Jornalista e Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC).

Os serviços jurídicos de Cascais24 avançarão, igualmente, com uma queixa-crime junto do Ministério Público  contra os militares em causa pelo "abuso de poder", largamente testemunhado, perante um Jornalista Profissional no exercício das suas funções!









 

 


Comentários

  1. Força Sr. jornalista. A GNR de alcabideche continua na mesma há mais de 30 anos. Tristeza.

    ResponderEliminar
  2. Força Sr. jornalista. A GNR de alcabideche continua na mesma há mais de 30 anos. Tristeza.

    ResponderEliminar
  3. o meu filho tb ja foi vitima do abuso de poder das mesmas autoridades de Alcabideche na minha opinião são alguns elementos que não assimilaram a formação que tiveram ou não a poem em pratica e so envergonham a instituição de onde usam a farda deveriam ser punidos exemplarmente para cenas destas não voltarem a acontecer no futuro mas a chefia tb tem alguma culpa por nada fazerem para que estas situações voltem a acontecer esquecem que os ordenados que recebem são pagos com o dinheiro dos impostos pagos por aqueles que insultam e abusam

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente não me espanta...
    Também já tive uma pequena situação com agentes do mesmo posto... Achando eu desnecessário tendo em conta que foi por uma situação recorrente em dias de jogos de futsal no pavilhão de Alcabideche e naquele dia apareceu um que eu nunca tinha visto e resolveu embirrar... Tendo depois que falar com o comandante que me deu razão....

    ResponderEliminar
  5. eu também já fui vitima da gnr de Alcabideche. fui agredido por 3 gnr desfardados e alcoolizados fora de serviço a porta de minha casa as 4 da manha e mesmo assim tiveram a coragem de mostrar os respectivos destintivos. o motivo da agressão foi para me obrigar a dizer onde era a casa de um amigo meu, que pelos vistos lhe queriam fazer a folha fora do horario de serviço. fui agredido pelo agente Tiago Garcia e outros que desconheço os nomes.

    ResponderEliminar
  6. A comunicação social deve ter um papel pedagógico e alertar as forças da sociedade civil sobre sobre os abusos e atropelos das autoridades prepotentes, arrogantes e impreparadaos para assumir funções no sec.XXI. Como em qualquer organização, existem bons e maus profissionais e o que se pretende é que os líderes dessas mesmas organizações ajam em conformidade e assumam-se enquanto líderes, responsabilizando e penalizando os "impreparados" guardas... Lamentável!

    ResponderEliminar
  7. Está mais que na hora de acabar com esta prepotência arrogante. Esses ditos agentes policias prestam um péssimo serviço à sociedade. Tenho um caso em que apresentei queixa dum sr.guarda, que não honra a farda que veste e com graves problemas mentais. Passou-se no hospital de cascais, cuja resposta a minha queixa já recebi, e esses srs protegem-se uns aos outros que mais faz lembrar os irmãos metralhas. Sr. jornalista use a sua força até ao limite. Não pudemos pactuar!!!

    ResponderEliminar
  8. clássico!
    as autoridades de Alcabideche fazerem isto ou algo do género não deveria ser noticia! é normal, fazem-no a toda a hora!
    é preciso que seja contra um jornalista para que faça "alarido".

    ps: poli
    cia municipal de Cascais também precisa de uma "revisão"!

    ResponderEliminar
  9. Ė uma coisa normal...a dias ocurreu uma situacao onde Moro e da maneira que tavam a tratar o rapaz para o levarem pra esquadra apercebi me e decidi filmar,fui apanhado por um agente, dirigio-se a mim a obrigar a dar o meu telemovel algemaram me a força, bateram me e levaram me para a esquadra na esquadra obrigaram me a apagar a filmagem e obrigado passei de camera men a destemunha...mas quando ocorreu a situacao tava mais pessoas no local a filmar,quando sai da esquadra com o meu telemovel recebi videos de como fui tratado pela Guarda Nacional Republicana de Alcabideche ..Tenho os videos pra que nao tenham duvidas...

    ResponderEliminar
  10. Se a GNR de Alcabideche é assim tão má, proponho a sua extinção.

    ResponderEliminar
  11. São uns putos mal educados que envergonham uma instituição nobre como É a g.n.r.

    ResponderEliminar
  12. Meus caros, quando vejo um jogo de futebol, vejo as duas partes. Isto é apenas a versão do Senhor "ilustre"senhor "fraco" jornalista. Em vez de se preocupar em elaborar textos pomposos, deveria talvez estudar o adjetivo de humildade. Mais educação. Ser jornalista e mais propriamente em Cascais, mostrar toda a sua arrogância deve ser mais adulto.
    Para vos, que aqui atacam, atiram pedras e verbalizam de todo o tipo de impropérios, quando necessitam de apoio, ou são apanhados em infracção, sabem pedir e ser simpáticos. Mas atrás de um pc, são todos donos e heróis de palavras.
    Obrigado e humidade, simpatia e educação nunca fez mal a ninguém. Já agora, tendo em conta que são todos Grandes de educação, e no seu trabalho são perfeitos, depoia apareçam no sub de alcabideche para partilharem toda essas qualidades que por aí abundam. Cumprimentos

    ResponderEliminar
  13. Sou a favor da psp em alcabideche secalhar nao avia tanta merda nas ruas

    ResponderEliminar
  14. (antes de mais: não sou da GNR, não conheço o acidente nem nenhuma das pessoas envolvidas. Não tenho no assunto qualquer interesse direto)
    ...já tenho seguido algumas das vossas publicações, com moderado interesse pela tarefa a que se propõem. No entanto, o que vocês escreveram hoje aqui só me deixa triste com a vossa própria existência... desculpem o termo que pode parecer exagerado, mas reforço-o as vezes que for preciso.
    Precisamos, em Portugal, de organizações que se proponham a questionar as instituições, os poderes autocráticos, os abusos de poder... mas não desta forma. Não de forma amadora, pouco séria, infantil, quase. Não de uma forma que apenas vem trazer dignidade a jornais como o Correio da Manhã, que por maus que sejam, ainda são melhores que quem vem atentar contra quem faz serviço público sem sequer se dar ao trabalho de fazer o contraditório. De apresentar os argumentos do acusado.
    ...será que o "senhor guarda" quis impedir o jornalista de tirar fotografias genéricas ou impedir o jornalista de publicar fotografias da vítima antes que a própria família fosse informada do sucedido? Infelizmente, a sede mediática já levou a isto por diversas vezes, mas é apenas uma possibilidade... entre muitos outros motivos que os agentes da autoridade poderiam ter para a sua ação... qual o verdadeiro? Infelizmente, nunca saberei, porque o senhor "jornalista" nem se dignou a procurar essa informação, que prontamente reputou de "não importante".
    E isso, senhor "jornalista" (ou jornaleiro... ou nada disso e é apenas um trafulha), faz com que este artigo, na verdade, não diga nada de concreto sobre a Guarda Nacional Republicana... mas diga muito sobre si. E de tudo o que diz, não diz nada de bom.

    ResponderEliminar
  15. esses senhores numa operaçao stop em que pediram a revista do carro sem razao aparente, ROUBARAM uma pena que estava no auto radio !!! depois de confrontados, cerca de duas horas, com o facto de que naquele dia quem era policia estava a ser ladrao.
    exigiram uma segunda revista ao carro!!! abrem a porta e encontram a pen no chao do lado do condutor.

    fossem todos dentro ter com os colegas !!

    ResponderEliminar
  16. Impressionante!
    Eu não tenho opinião sobre a actuação dos senhores, mas um rol de relatos destes não significa nada?

    ResponderEliminar
  17. Se fosse só é Alcabideche???!!!!...ui!!!!

    ResponderEliminar
  18. Uiiiiii!!!!...se fosse só em Alcabideche que colocam uma farda a "desertores da enxada" eu até me admirava!!!...lol!!!

    ResponderEliminar
  19. O que se passou não sei, algo do que li não gostei.
    Todos temos o hábito de debitar opiniões sem conhecer os factos e as pessoas, não se deve julgar os outros, o mais correcto é olharmos para os nossos defeitos e não para os possíveis defeitos dos outros, digo possíveis pois há sempre a possibilidade de interpretarmos mal.
    O jornalista (e não jornaleiro como alguém disse), conheço eu de "ginjeira" á mais de 30 anos, tem uma formação profissional que inveja muitos (talvez por isso alvo de criticas/invejas dos menos capazes), trabalhei com ele (e muitos outros também jornalistas verdadeiros mais de 18 anos) , profissional reconhecido por todas as entidades de segurança incluindo os bombeiros. Tive o privilégio de observar CENTENAS de reportagens dele na área do crime e segurança, área essa em que se especializou. Na altura ouvia-se amiúde da boca de outros bons profissionais que a sua agenda de contactos junto das forças de segurança valia o seu peso em ouro. Sempre o vi respeitar tudo e todos, sempre foi dos que ia “para a cabeça” do touro, muitas das vezes ignorando a sua própria integridade física para estar junto das policias e bombeiros em situações que mais ninguém tem “tomates” para o fazer, vi com os meus olhos um entrevistado puxar de uma arma para cima da mesa e nem assim ele deixou de continuar a entrevista como era a sua obrigação, , como muito poucos o conseguiriam, para informar como é o dever de todos os jornalistas. Vi e ouvi frequentemente os comandantes, Chefes, Inspectores e outros responsáveis dos órgãos de segurança dar informações ao Valdemar informações essas que só a este JORNALISTA davam (para ciúmes de muitos), ouvia nos corredores das esquadras coisas como: “ quem? O Valdemar? A esse podes dizer que o tipo sabe o que faz”.
    Hoje leio coisas sobre o Valdemar, que nem sei de onde elas vêm, nem entendo que conhecimento ou intensões têm os maldizentes, talvez por esse motivo ele continua a ser JORNALISTA e profissional que todos os dias cumpre como é/deve ser exigido a quem detém uma VERDADEIRA carteira profissional. Ganha a vida a fazer o que mais gosta do que fazer, sem ter necessidade de se encostar a um “tacho” que lhe daria mais dinheiro e descanso, mas conhecendo-o como o conheço, sei que prefere cumprir mas não calar.
    Identifico-me (eu também não tenho medo aprendi com ele): Vitor Silva, fui um simples motorista, do maior órgão de informação diário, que os colocava (jornalistas) como se diz agora “no teatro das operações”.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem me identificar, porque é completamente indiferente e sou alheio a tudo isto. Não conheço o senhor em causa nem tenho um conhecimento particularmente aprofundado do mundo jornalístico, muito menos sofro de inveja do trabalho de qualquer jornalista, embora admire certos jornalistas e, de modo discricionário, considere mais idóneas certas publicações que outras... é o meu direito a ter a minha opinião que só a mim me vincula.
      Sobre o indivíduo em causa, permito-me desconsiderar o artigo que aqui escreve, atacando a instituição sem sequer qualquer direito de defesa, sem qualquer referência ao que qualquer dos seus representantes tenha a dizer, ou mesmo o lamentável "até ao fecho da edição não foi recebida qualquer resposta".
      Por isso, Sr. vítor Silva, nada aqui lhe tira o direito de admirar o homem como admira. Faça-o sem reservas, se o considera merecedor e se considera injusta a minha avaliação. Mas por favor, respeite a minha opinião como respeito a sua. É a minha opinião, que profiro no meu direito e até me dou ao trabalho de fundamentar...

      Eliminar

Publicar um comentário